DESCARACTERIZAÇÃO DE PRODUTOS

DESCARACTERIZAÇÃO DE PRODUTOS

Descarte de Produtos vencidos ou não conformes

Lembra daquelas chamadas de marcas conhecidas, intimando os seus consumidores para um “recall”? Quando o fornecedor identifica algum defeito ou falha de segurança em um produto e convoca os clientes para sanar o problema em uma loja ou representante da marca?

No caso do “recall”, geralmente são falhas solucionáveis cujos reparos são possíveis e não inviabilizam o uso do produto, não sendo necessária a sua retirada do mercado. Porém, existem situações que infelizmente ocorrem com frequência, especialmente na indústria alimentícia, cujos erros de processo resultam em perda fatídica dos produtos.

Uma máquina cuja manutenção, regulagem ou inspeção não forem feitas corretamente, falhas de armazenagem e conservação de matérias-primas, falta de treinamento eficaz para os colaboradores, erro ou descumprimento de especificação de produção, são bons exemplos de causas recorrentes da fabricação de produtos não conformes.

Quando isso acontece, muitas vezes, a única opção da indústria é descartar o que foi produzido, e quanto mais tempo ela demorar a identificar o erro, ou rastrear aonde está o problema, maior é a perda, podendo ter que destinar lotes inteiros de produtos para o lixo.

Também não é incomum que, diante da retração da demanda ou previsão de vendas que não se concretiza por motivos diversos, produtos excedam o prazo de validade nas prateleiras e depósitos, tendo que ser descartados.

Em ambos os casos, o que seria fonte de receita se transforma em resíduo – perda -, elevando os custos de quem produz e/ou distribui, e isso em tempos de crise é ainda mais amargo.

Tratar as causas do problema para evitar que ele se repita é sempre a melhor indicação, mas, diante de um desvio grave de processo é importante trabalhar para reduzir ao máximo o prejuízo. A descaracterização dos produtos, combinada com reciclagem das embalagens e compostagem dos resíduos biodegradáveis, pode ser uma altenativa bem interessante.

Por se tratar de uma demanda recorrente, a descaracterização de produtos entrou no portfólio de empresas especializadas em destinação de resíduos. O investimento em novas tecnologias, equipamentos e técnicas, além de parcerias firmadas entre recicladoras e empresas especializadas em compostagem, tem permitido reciclar e transformar esses produtos de forma cada vez mais efetiva e sustentável.

Os produtos são “desmontados”, separando o que é reciclável do que pode ser destinado à compostagem. E as vantagens são animadoras:

  • Proteção da marca: a descaracterização elimina a possibilidade de produtos não comercializáveis serem vendidos de forma clandestina no mercado.
  • Baixo custo: dependendo do produto, é possível vender 100% das embalagens para a reciclagem e destinar 100% da massa biodegradável para a compostagem. Assim, o “gerador” pode conseguir obter algum tipo de receita com os produtos, reduzindo o impacto financeiro da perda.
  • Rastreabilidade: é possível rastrear a destinação dos produtos em cada etapa do processo de descaracterização.
  • Segurança: evita problemas fiscalizatórios, por desatendimento à legislação sanitária e ambiental, já que o “gerador” recebe o certificado de destinação final dos produtos descaracterizados.
  • Marketing Verde: a empresa pode comunicar aos seus clientes que participa do ciclo ambientalmente responsável, já que o resíduo que poderia ir para o lixo, foi destinado para a reciclagem e para a compostagem, sendo reintroduzido no ciclo produtivo de forma extremamente benéfica.

No entanto, vale ressaltar que, para que os objetivos almejados com a descaracterização de produtos sejam alcançados, é muito importante escolher bem a empresa que prestará o serviço. Ela deverá ter todas as licenças exigidas para a atividade que desempenha, além de boa reputação no mercado, solidez financeira e organizacional.  A idoneidade da organização contratada fará toda a diferença na obtenção do resultado esperado.

Autoria: Emanuela Figueiredo