RESÍDUOS PERIGOSOS, SAIBA UM POUCO MAIS

RESÍDUOS PERIGOSOS, SAIBA UM POUCO MAIS

O que são resíduos perigosos?

O gerenciamento de resíduos é uma tarefa desafiadora, principalmente quando envolve a gestão de resíduos perigosos.

De acordo com a norma regulamentadora NBR 10.004 os resíduos perigosos são aqueles que como o próprio nome indica oferecem periculosidade, risco à saúde e/ou ao meio ambiente.

A NBR 10.004 nomeia esses resíduos com classe I e define diretrizes para classificação e destinação final.

Para ser classificado com I, o resíduo deve apresentar pelo menos uma das seguintes características: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade, patogenicidade, ou devem constar nos anexos A ou B da norma 10.004.

Os 3 tipos de resíduos perigosos:

  1. Resíduos Biológicos

São resíduos que contêm agentes infecciosos. Como vírus, bactéria, protozoários, fungos, bacilos. O risco biológico ocorre por meio de micro-organismos patogênicos que em contato com outros seres vivos, podem provocar inúmeras doenças. Muitas atividades profissionais favorecem o contato com tais riscos. É o caso das indústrias de alimentação, hospitais, limpeza pública (coleta de lixo), laboratórios, etc.

Dicas para o descarte correto deste resíduo:

  • Algodão, gazes, luvas de procedimentos, esparadrapos e ataduras devem ser descartados em lixeiras específicas e revestidas com sacos brancos
  • Agulhas, lâminas de bisturi, frascos e ampolas de medicamentos (resíduos perfurocortantes); devem ser descartados em coletores também específicos e de cores amarelas.
  • Frascos de vacinas com prazo de validade expirado, com conteúdo não utilizado, vazios ou com restos de produto devem ser encaminhados às Secretarias de Saúde que fizeram a distribuição, mantidos em recipientes com tampa resistentes e perfurações, rupturas e vazamentos com identificação do conteúdo. O mesmo vale para agulhas e seringas.
  • Após o tratamento, os resíduos devem ser acondicionados em sacos brancos, contendo o símbolo universal de risco biológico de tamanho compatível com a quantidade.

O método legal mais utilizado para o tratamento desse tipo de resíduo é a incineração em forno autoclave licenciado para tal procedimento.

  1. Resíduos Químicos

Neste grupo inclui-se diversos produtos tais como: substâncias e produtos químicos rejeitados (vencidos ou sem uso), pilhas, lâmpadas, termômetros, baterias entre outros.

Dicas para o descarte correto deste resíduo:

  • Resíduos inorgânicos tóxicos e suas soluções aquosas – Sais inorgânicos de metais tóxicos e suas soluções aquosas devem ser previamente diluídos a níveis de concentração que permitam o descarte direto na pia em água corrente.
  • Os resíduos que serão armazenados para posterior recolhimento e descarte/incineração, devem ser recolhidos separadamente em recipientes coletores impermeáveis a líquidos, resistentes, com tampas rosqueadas para evitar derramamentos e fechados para evitar evaporação de gases.
  • Os resíduos orgânicos ou inorgânicos deverão ser desativados com o intuito de transformar pequenas quantidades de produtos químicos reativos em produtos derivados inócuos, permitindo sua eliminação sem riscos. Este trabalho deve ser executado com cuidado, por pessoas especializadas
  • Além do símbolo identificador de substância, na embalagem contendo esses resíduos deve ser afixada uma etiqueta autoadesiva, preenchida em grafite contendo as seguintes informações: Laboratório de origem, conteúdo qualitativo; classificação quanto à natureza e advertências.
  • Os resíduos orgânicos ou inorgânicos relacionados devem ser separados, acondicionados, de acordo com procedimentos e formas específicas e adequadas a categoria que cada um pertence. Na fonte produtora do rejeito e em sua embalagem deverão existir os símbolos internacionais estabelecidos pela Organização Internacional de Normalização (ISO) e pelo Comitê de Especialistas em Transporte de Produtos Perigosos, ambos da Organizações das Nações Unidas (ONU), adequadas a cada caso.

Esses resíduos dependendo da concentração e dos tipos de substâncias podem ser tratados em estações de tratamento de efluentes – ETEs, por incineração e outros métodos. Alguns tipos como lâmpadas e lubrificantes usados por exemplo podem ser em grande parte reciclados.

  1. Resíduos Radioativos

Esse grupo pode conter tanto resíduos de baixa como de alta taxa de radioatividade. Os resíduos perigosos de baixa radioatividade são aqueles que são gerados em laboratórios de pesquisa como por exemplo ferramentas, luvas, roupas de proteção e materiais médicos. E os de alta radioatividade podem ser equipamentos e aqueles produzidos em usinas nucleares mais precisamente nos reatores.

Dicas para o descarte correto deste resíduo:

  • Não misturar os rejeitos radioativos líquidos com sólidos.
  • Usar recipientes especiais, etiquetados e apropriados à natureza do produto radioativo em questão.
  • Coletar materiais como agulhas, ponteiras de pipetas e outros objetos afiados, contaminados por radiação, em recipientes específicos, com sinalização de radioatividade
  • Os containers devem ser identificados com: Isótopo presente, tipo de produto químico e concentração, volume do conteúdo, data do descarte, laboratório de origem e o técnico responsável
  • Em caso de derramamento de líquidos radioativos, poderão ser usados papéis absorventes ou areia, dependendo da quantidade derramada. Isto impedirá seu espalhamento. Estes deverão ser eliminados junto com os outros resíduos radioativos.
  • O pessoal responsável pela coleta de resíduos radioativos deve utilizar vestimentas protetoras e luvas descartáveis. Estas serão eliminadas após o uso, também, como o resíduo radioativo.

O descarte dos resíduos radioativos é bastante complexo em virtude de periculosidade que eles oferecem. Não existem ainda processos de tratamento economicamente viáveis para esse tipo de resíduo, então, a maioria dos geradores enviam o que geram para  locais preparados para receber e armazenar esses resíduos por tempo indeterminado, evitando possíveis acidentes. O lixo radioativo se torna um passivo ambiental e deve ser monitorado continuamente.

Os resíduos perigosos devem ser gerenciados com muito critério, já que o descarte irregular tem como consequência sérios problemas com órgãos fiscalizadores, penalidades severas para o gerador e todos os envolvidos no processo. Mas, principalmente impactos ambientais, de saúde pública e sociais que podem ser irreversíveis.

*As dicas para o descarte correto dos resíduos foram extraídas do site portaleducação.com.br 

Autoria Compartilhada: Franklin Junior  , Emanuela Figueiredo .