COLETA SELETIVA

COLETA SELETIVA

Reciclagem do lixo urbano

Quando se fala em gestão de resíduos urbanos, a primeira coisa que vem à cabeça de muita gente é coleta seletiva. E é indiscutível a importância dela quando se deseja reciclar o “lixo”.

Infelizmente no Brasil a situação mais comum ainda é o descarte do lixo sem nenhum tipo de segregação, desperdiçando grande parte do potencial econômico dos materiais.

A boa notícia é que, com a evolução da legislação ambiental no país, o setor de destinação de resíduos (reciclagem, compostagem, transporte, tratamento) foi incentivado a se profissionalizar, investir em tecnologia e em novas metodologias de gestão e operação, se tornando cada vez mais forte e rentável.

O mercado se desenvolveu e hoje não é difícil encontrar empresas capacitadas a gerir e destinar todo o volume de resíduos gerados em uma cidade.

Existem duas maneiras comuns de fazer a coleta seletiva. A mais simples, e recomendada para a reciclagem de lixo doméstico, consiste em separar os resíduos secos, dos molhados. Os secos são recicláveis (papel, plástico, metal, vidro) e os molhados são os que podem ser destinados para a compostagem: restos de alimentos, cascas de verduras, frutas, ovos, restos de podas, dentre outros. É importante ressaltar que, nesse caso, os resíduos de banheiro não se enquadram como secos e tampouco como molhados, por isso devem ser descartados separadamente para que sejam levados para um aterro sanitário. Resíduos como lâmpadas queimadas, pilhas e baterias usadas, devem ser entregues em um ponto de coleta, para que sejam devolvidos aos fabricantes ou entregues a empresas especializadas no tratamento e reciclagem desse tipo de material.

O segundo método é mais complexo e, por isso, necessita de maior conhecimento e treinamento da população envolvida, mas, em contra partida, torna o processo de reciclagem mais ágil, já que o lixo é separado pelo gerador por tipo de material, facilitando a triagem. Os resíduos são acondicionados em lixeiras coloridas, sendo que cada cor “representa” um tipo de material. Veja no quadro abaixo a relação Resíduo X Cor da lixeira coletora:

Escolher o método mais adequado para cada situação, considerando o investimento e o esforço necessários para a implantação da coleta seletiva, seja em um município ou até mesmo em uma empresa, é fundamental para que se tenha sucesso no processo.

A coleta seletiva é um ótimo exemplo da integração de desenvolvimento econômico, geração de riqueza e sustentabilidade.

 

Autoria: Emanuela Figueiredo